Contato e informações sobre Consulta:

(16) 3913-4758 / 3621-6511 / 99123-2299


Terapia com Laser para Glaucoma

Glaucoma de Ângulo Fechado
Este tipo de glaucoma, responsável por 10% de todos os glaucomas nos Estados Unidos, ocorre quando o ângulo entre a córnea (janela transparente em frente ao olho) e a íris (parte colorida do olho) é estreito. Em todos os olhos, o fluido ocular encontra resistência ao passar da câmara posterior atrás da íris para a câmara anterior na frente da íris. Esta resistência ao fluxo anterior do fluido provoca uma pressão levemente aumentada do fluxo atrás da íris, que empurra a íris para frente. Em olhos com ângulos estreitos, não há espaço suficiente entre a íris e o dreno do olho. A curvatura anterior da íris devido à pressão por trás dela bloqueia a drenagem e, desse modo, aumenta a pressão intra-ocular. É usado um raio laser para fazer um pequeno orifício na íris, procedimento este chamado iridotomia, que vai permitir que o fluido escoe de trás para a frente da íris sem resistência. A eliminação da pressão mais elevada atrás da íris vai permitir que ela se afaste do dreno. Algumas íris, especialmente aquelas de cor castanho escura, são mais grossas do que as outras e podem requerer mais de um procedimento para assegurar uma abertura permanente.

O procedimento a laser é rápido e surpreendentemente indolor. O paciente sente o impacto do laser como um raio de luz no olho. Este impacto surpreende, mas não é doloroso. Após o término da cirurgia, a maioria dos pacientes pondera por que estavam preocupados na noite anterior.

Se uma iridotomia é realizada antes de ocorrer qualquer bloqueio do dreno com a íris, o paciente fica em geral curado desta forma de glaucoma. Ocasionalmente, uma grande ondulação na íris vai mantê-la perigosamente próxima do dreno e será necessária medicação ou outro procedimento a laser chamado iridoplastia. Como podem ocorrer mais tarde na vida outros tipos de glaucoma além do glaucoma de ângulo fechado, continuam a ser necessários exames periódicos do olho.

Glaucoma de Ângulo Aberto
Este é o tipo mais comum de glaucoma. Um em cada dez negros idosos e um em cada cinqüenta brancos idosos têm glaucoma de ângulo aberto. Ele é raro em brancos antes dos cinqüenta anos e em negros antes dos quarenta.

Em olhos com escoamento normal do fluido, este deixa o olho através de uma estrutura parecida com uma peneira, chamada malha trabecular, antes de entrar em um canal que leva o fluido para as veias fora do olho. No glaucoma de ângulo aberto, esta estrutura tipo peneira torna-se bloqueada por depósitos que são uma conseqüência de mudanças anormais dentro do olho provocadas pelo envelhecimento. Pouco a pouco, o aumento do bloqueio faz com que a pressão se eleve lentamente durante um longo período de tempo, danificando o nervo óptico.

Como não há sintomas que levem o paciente a procurar um médico, pode ocorrer um dano severo ao nervo óptico antes de o paciente perceber que há algo errado. O dano ao nervo óptico vai finalmente se manifestar no exame de campo visual como áreas de percepção visual reduzida. Como a maioria dos danos do glaucoma ocorre antes de o paciente procurar o médico, visitas regulares ao oftalmologista permitem que o glaucoma seja descoberto em um estágio inicial. Na maioria dos casos, a pressão do olho pode ser adequadamente controlada com medicação. Quando a medicação não consegue mais manter a pressão baixa o bastante para evitar outros danos ao nervo óptico, é considerada a cirurgia a laser. Temos percebido que, em pacientes adequados, a cirurgia a laser baixa a pressão intra-ocular em uma média de 25% a 35%, com a maior baixa da pressão ocorrendo aproximadamente 4-6 semanas após a cirurgia. Os pacientes que respondem melhor são aqueles que têm mais de 60 anos de idade, têm um dreno de cor castanha que permite a absorção da luz do laser, e têm um diagnóstico de glaucoma primário de ângulo aberto, glaucoma de tensão normal, glaucoma pseudoexfoliativo ou glaucoma pigmentar.

A cirurgia a laser para glaucoma de ângulo aberto é chamada trabeculoplastia e envolve realizar microscópicas cauterizações na malha trabecular. Uma teoria sobre a razão do sucesso deste tratamento é que quando o raio laser atinge uma área do tecido, esse tecido se contrai. Isto, por sua vez, provoca a abertura da malha no dreno que envolve as cauterizações, permitindo a saída de mais fluido do olho. Outra teoria é que a própria lesão da cauterização do laser estimula as células da malha trabecular a se livrar dos fragmentos acumulados que estavam bloqueando o dreno.

A cirurgia a laser não é uma cura para o glaucoma de ângulo aberto. Deve ser considerada como mais uma medicação forte adicionada às medicações que o paciente já usa.

Ocasionalmente, um ou mais dos colírios que o paciente vem usando pode ser interrompido após uma trabeculoplastia, mas isto não é usual. Um pequeno efeito permanece na maioria dos pacientes após três a cinco anos. Em pacientes que tiveram um efeito bastante duradouro da sua trabeculoplastia original, o procedimento pode ser repetido uma vez mais. Entretanto, a queda na pressão intra-ocular na segunda vez não será tão grande quanto aquela observada inicialmente.


O Que Acontece Após a Cirurgia a Laser?
Imediatamente depois do procedimento, são utilizados colírios para reduzir a inflamação e baixar a pressão do olho. O paciente é solicitado a esperar aproximadamente uma hora depois da aplicação do laser, para que o olho possa ser examinado para eventuais efeitos colaterais. Depois do procedimento, é comum a visão ficar levemente embaçada e o olho um pouco irritado durante um dia. Como o olho não fica cortado com os procedimentos a laser aqui discutidos, não há necessidade de limitar quaisquer atividades pós-operatórias. Depois do procedimento, os pacientes são instruídos a continuar suas medicações regulares para glaucoma e iniciar um colírio adicional para evitar inflamação. Este novo colírio deve ser usado quatro vezes ao dia, durante cinco a sete dias. Pode ser usado juntamente com os colírios para glaucoma, contanto que haja um intervalo de pelo menos dez minutos entre os dois colírios. Uma visita de acompanhamento é marcada para aproximadamente uma semana depois da cirurgia a laser.

Todas as instruções precisam ser seguidas rigorosamente para propiciar os melhores resultados. Se você tiver alguma dúvida após ler este material, por favor fale com seu oftalmologista.


  • Clínica Dr. Marcelo Jordão
  • Galileu Galilei, 1685
  • Ribeirão Preto, SP
  • 14020-620